[Resenha] Promessa de fogo

promessaSinopse:

Alicia é uma fazendeira de vida simples. Seus únicos sonhos são passar a vida ao lado do noivo e cuidar das tarefas do campo.

Sonhos que são despedaçados quando mercenários atacam seu vilarejo e deixam um rastro de fumaça, cinzas e sangue.

Algo acorda dentro de Alicia. Uma sede de vingança a domina e exige morte para se saciar.

Em seu caminho pavimentado pelo ódio, Alicia enfrentará os dinossauros que assolam o Norte, golems avançados, soldados corruptos e uma conspiração envolvendo demônios, necromantes e a magia de sangue proibida no reino.

Mas sua maior luta será para manter a própria humanidade enquanto mergulha no Abismo.

Fonte: Amazon

Promessa de fogo é o segundo livro autopublicado de Thiago D’Evecque, que já havia lançado Limbo — mas o primeiro do autor que eu leio. E, embora eu não costume ler muitas fantasias dark, a obra me surpreendeu e agradou bastante.

A protagonista é Alicia, uma fazendeira-meio-guerreira que vê sua vida transformada quando o vilarejo em que mora sofre ataques cruéis sem explicação. Quando esses ataques atingem pessoas que ela ama, Alicia jura descobrir a verdade e se vingar. Nisso, será ajudada por Matilda, algo como uma tia para ela e uma arqueira incrível, e Charlotte, sua tia de fato, ex-capitã da Guarda Real de Vanda (o reino onde estamos).

Se a premissa de vingança não é tão original, o livro compensa com a construção do mundo e das personagens, muito bem feita. Começando pelo fato de serem três protagonistas mulheres, uma surpresa grata — sem contar que Matilda e Charlotte tiveram um relacionamento no passado; que Matilda é gorda, característica rara numa personagem tão foda quanto ela; e que a maior antagonista da obra é outra mulher, Olga. A própria trama de vingança, embora batida, ganha pontos por ser levada adiante por uma mulher, invertendo o clichê da “mulher dispensável” que morre para que o herói possa derramar algumas lágrimas.

As três são personagens complexas: cada uma tem suas ambições, culpas e segredos, e a dinâmica entre elas varia entre afeto, aliança e conflitos. Alicia, apesar de ser a protagonista, acaba sendo a mais “simples” das três, por ter objetivos bem claros e um passado menos conturbado. Mesmo assim, gostei dela e simpatizei com o sofrimento que a leva à sua jornada (as descrições do seu choque após o evento traumático estão entre meus trechos preferidos).

O universo da série também é bem construído e vai sendo apresentado aos poucos — os trechos mais densos de explicação deixados para as partes finais da obra, o que achei acertado. Os nomes de locais e pessoas têm um ar brasileiro, assim como a paisagem e a vegetação do reino (passamos pela caatinga, por exemplo). Diferentes tipos de magia são apresentados, assim como demônios — que, num passado mítico, foram banidos ao Abismo, de onde hoje tentam possuir as pessoas, consumindo-as e tornando-as capazes de violências absurdas. Ah, e eu mencionei os dinossauros? Chamados de sáurios, eles estão por todo canto, porque ter apenas demônios no seu reino é desgraça pouca! Fora os sáurios domesticados, aqueles mais selvagens proporcionam passagens incríveis, que faziam eu querer que as personagens abandonassem sua missão e fossem atrás dos bichos.

Tudo isso cria um cenário bem diferente e único, ainda mais quando se descobre que uma das religiões de Vanda idolatra os demônios — uma reviravolta interessante, ainda mais quando vemos, em primeira mão, os efeitos que um demônio pode gerar numa pessoa. Um dos meus aspectos preferidos da trama foi ver Alicia sendo seduzida pelas possibilidades de poder oferecidas pela possessão (já dizia Yoda que o ódio ao lado sombrio leva).

Minhas críticas são mais à narração que à trama em si: o narrador pende mais para o onisciente, mas fiquei um pouco confusa no começo, pois me parecia terceira pessoa limitada, seguindo cada uma das protagonistas, e gosto de uma definição maior nesse sentido desde o início. Alguns trechos de descrição me soaram um pouco repetitivos, principalmente quando o foco era Alicia, seu desejo de vingança e sua desesperança. E embora a revisão esteja boa, escaparam alguns detalhes gramaticais, especialmente verbos que deveriam estar em outros tempos verbais.

Mas não é nada que atrapalhe muito a leitura, e percebe-se o cuidado que o autor teve com a edição (destaque para a capa, que achei linda!). Gostei muito do mundo e das pessoas que o habitam, e os últimos capítulos revelam aspectos intrigantes sobre alguns personagens-chave que me deixaram curiosa para a continuação. Sem dúvida, um nacional que vale a pena!

*

Promessa de fogo
Série: Abismo – volume 1
Autor: Thiago D’Evecque
Ano de publicação: 2017
189 páginas
E-book disponível na Amazon

 

Citações preferidas

Alicia sorriu. O sangue, a luta, o perigo de deixar sua vida em jogo a cada movimento parecia mover engrenagens desconhecidas no corpo dela.

*

— Tudo são escolhas, Alicia. Até quando não escolhemos.

*

— Eles eram crianças, Alicia. […] Obedeciam ordens. Eram inocentes.

Alicia não se virou.

— Não há mais inocentes. Se escolheram obedecer sem pensar no peso de suas ações, são culpados. Se trabalham para Olga, são culpados. Se são omissos, são culpados.

Uma resposta em “[Resenha] Promessa de fogo

O que achou deste post?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s