[Resenha] Legado de sangue

legadoSinopse:

Quando a Aliança Rebelde derrubou o Império, a princesa Leia acreditava que um longo período de paz iria começar. Mas o que se seguiram foram décadas de brigas sem fim e rixas partidárias no Senado da Nova República. Leia, agora uma senadora influente, está perdendo a fé na política enquanto vê seus colegas no senado, desesperados por mudanças, tomarem medidas que podem destruir o governo igualitário recém-criado. A última princesa de Alderaan torna-se a única esperança da democracia em seu momento mais frágil, mas o passado e o futuro com o lado sombrio da Força a perseguem. O treinamento Jedi de seu filho Ben a preocupa, especialmente depois que ele e Luke param de lhe mandar mensagens, e um dos maiores segredos da família pode vir à tona e colocar em cheque sua credibilidade.

Fonte: Editora Aleph

O Império acabou e a Nova República foi instaurada. Mas, décadas depois da destruição da Estrela da Morte, a situação da galáxia ainda é instável. Leia Organa, que se tornou senadora e participa de todas as discussões políticas, está cansada da estagnação e da impotência que seus colegas enfrentam diante dos problemas do povo. As sessões infindáveis e votações inúteis no senado são o oposto da política que Leia ama e da qual gosta de participar.

Quando um enviado do planeta Ryloth denuncia o tráfico e a escravidão que voltaram a assolar seu planeta devido a facções criminosas e pede a ajuda do senado para acabar com isso, a maioria dos senadores prefere não se envolver. Mas Leia vê aí uma oportunidade de voltar à ação e ajudar pessoalmente aqueles que mais precisam dela. Então, se oferece para investigar os criminosos que agem em Ryloth. O que ela não esperava era que o senado aprovasse sua investida com uma condição: de que ela levasse consigo seu grande oponente político Ransolm Casterfo.

Casterfo é um aliado bem improvável para a missão de Leia. Membro da facção contrária à de Leia no senado, ele é a favor da centralização do poder na galáxia, o que incluiria a criação de uma nova capital e um primeiro-senador. Apesar de odiar Palpatine, Vader e tudo de mau que o Império fez, Casterfo, como muitos de seus colegas políticos, admira a ordem e a disciplina que havia na época do Império, e acredita que essa centralização do poder poderia colocar a galáxia de volta nos eixos. Leia, porém, enxerga um grande perigo nesse pensamento – o perigo de surgir um novo tirano e uma nova ditadura.

Essa dualidade de posições permeia todo o livro, juntamente com grandes intrigas políticas. É uma história bastante séria, com discussões no senado e poucas cenas de ação. Mas a investigação feita por Leia (que toma proporções inesperadas) é bem interessante e compensa para quem espera acontecimentos mais emocionantes. Além disso, a narrativa de Gray, que escreve em terceira pessoa (a maior parte do tempo do ponto de vista de Leia), é muito boa e torna interessantes e dinâmicos até mesmo os debates no senado.

Os personagens novos apresentados por Gray são bastante simpáticos, com destaque para a séria assistente de Leia, Greer Sonnel, e o empolgado piloto Joph Seastriker. Há algumas cenas envolvendo só esses dois, mas os melhores momentos deles são a interação com Leia. A interação com esses jovens e os laços que Leia cria com eles é mais uma forma de aprofundar a personagem da princesa. Além disso, uma conversa entre esses três em um hangar de naves é uma das partes mais divertidas do livro (e inclui até a participação de um querido personagem da Trilogia Aftermath!). Mas o leitor que procura personagens mais centrais e famosos de Star Wars não vai se decepcionar. As poucas interações de Leia com Han Solo são maravilhosas e vão te fazer lembrar por que você shippa eternamente esse casal (confesso, alguns diálogos me deixaram com um aperto no coração).

Legado de sangue, que é parte do novo cânone de Star Wars, define o cenário político da galáxia logo antes de O despertar da Força, e mostra os primeiros passos da organização que dará origem à Primeira Ordem. Ele também mostra a semente de várias questões centrais para a nova trilogia de filmes; ao longo da trama, Leia está frequentemente preocupada com seu filho Ben, que partiu com Luke para seu treinamento Jedi mas há tempos não manda notícias. A tensão das cenas que falam de Ben é palpável, especialmente considerando que os leitores já conhecem o destino do rapaz. Além disso, o livro traz altas tretas familiares dos Skywalker que também permitem algumas conexões com a trama dos filmes novos. (Rumores dizem que a editora queria traduzir o título como STAR WARS: Casos de família.)

É claro que ter uma protagonista como Leia – que, concordemos, é a rainha da porra toda do universo de Star Wars – é um dos pontos altos do livro. Pela primeira vez, o cânone de Star Wars se aprofunda nos sentimentos, nos medos e nas convicções dessa personagem tão fundamental para a saga. A história faz jus à princesa, que finalmente recebe a merecida posição de protagonista em uma excelente e indispensável aventura da saga. E ainda há o bônus de que essa protagonista é uma mulher mais velha, experiente e independente, apesar das inseguranças como mãe e como profissional.

Além de uma história central para o novo cânone, Legado de sangue é uma maravilhosa homenagem que deixa o leitor ainda mais empolgado para, ainda este ano, ver a última atuação de Carrie Fisher como sua personagem mais querida.

*

Legado de sangue
Autora: Claudia Gray
Tradutora: Marcia Men
Editora: Aleph
Ano desta edição: 2017
360 páginas

Citações favoritas

Ninguém quer ouvir falar mais sobre a guerra, Leia disse a si mesma. Ninguém quer temer mais caos e confusão. Não é exatamente por isso que eu luto, para que eles não precisem temer?

*

Estaria acontecendo de novo hoje? Minha mãe assistiu à velha República cair – será que agora é a minha vez de ver a Nova República desabar?

*

– A senhora é uma má influência.

Aquilo a fez rir alto.

– Sabe, esse é o melhor elogio que me fazem em muito tempo!

*

– 3PO, no quarto de século em que você me serviu, alguma vez me viu fugir do perigo?

– Bem. Não. – O droide parou para pensar no assunto por um instante antes de acrescentar, esperançoso: – Contudo, a senhora pode ter, em algum momento, desenvolvido um instinto de sobrevivência mais forte.

Leia não pôde evitar uma risada.

– Não conte com isso.

*

As pontes que eles tinham construído entre si haviam desabado, mas ela ainda sentia o impulso de pisar no ar onde elas anteriormente se estendiam.

O que achou deste post?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s