[Resenha] A música do silêncio

Esta resenha foi feita com base na edição da Gollancz. A tradução de trechos foi feita por mim.

musicaSinopse:

Debaixo da Universidade, bem lá no fundo, há um lugar escuro. Poucas pessoas sabem de sua existência, uma rede descontínua de antigas passagens e cômodos abandonados. Ali, bem no meio desse local esquecido, situado no coração dos Subterrâneos, vive uma jovem. Seu nome é Auri, e ela é cheia de mistérios. A música do silêncio é um recorte breve e agridoce de sua vida, uma pequena aventura só dela. Ao mesmo tempo alegre e inquietante, esta história oferece a oportunidade de enxergar o mundo pelos olhos de Auri. E dá a chance de conhecer algumas coisas que só ela sabe…

Fonte: Livraria Cultura

Quando o prefácio começa com o próprio autor dizendo “Talvez você não queira comprar esse livro”, você sabe que a coisa vai ser polêmica. A música do silêncio é uma novela sobre uma das personagens mais misteriosas da Crônica do Matador do Rei: Auri. A narrativa em terceira pessoa, que é quase um estudo de personagem, acompanha a garota durante uma semana nos Subterrâneos em que mora.

E realmente não é para todo mundo, como o próprio Rothfuss reitera no posfácio (e o modo como o cara se justifica sem parar pela publicação deste livro é um espetáculo à parte – calma, Pat, a gente ainda te ama!). A escrita do autor sempre foi poética – esse é um dos aspectos que as pessoas tendem sempre a destacar sobre os livros –, mas nada que escreveu se aproxima tanto da poesia quanto esta obra. E, como um poema, ou o texto vai tocar o leitor ou não vai, o que explica as opiniões muito divididas que se encontram por aí.

Não dá pra fazer uma sinopse exatamente, já que não há uma história no sentido tradicional: a novela narra o dia a dia de Auri, explorando lugares abaixo da Universidade, procurando objetos para dar a Kvothe (que aparece apenas como “ele”, porque só existe um ele para Auri) e colocando as coisas nos seus lugares certos. Descobrimos que a personagem tem uma percepção muito especial sobre os objetos inanimados e a sua “vontade”, de modo que sente onde eles desejam estar e se esforça para colocá-los lá.

Loucura? Talvez, mas não pude não me lembrar de um dos meus personagens preferidos da série, Elodin, que também é considerado louco, mas possivelmente apenas tem uma compreensão maior sobre o mundo (e o nome das coisas). A novela dá a entender que Auri é uma dessas pessoas que vê muito mais que a maioria. Inclusive, mesmo quem não gostar da lentidão da narrativa deve se interessar pelas pistas que o livro dá sobre o universo da série (descobrimos que o mundo é chamado Temerant) e sobre o passado da própria Auri.

Eu, pessoalmente, amei esse livrinho – muito mais do que esperava. Cheguei a chorar em alguns pontos, e o li de uma sentada só, mergulhando no ponto de vista peculiar da personagem. Me apaixonei pela sutileza da escrita de Rothfuss, que adequa seu texto perfeitamente à delicadeza da personagem (da mesma forma que a narrativa de Kvothe nos livros, ou de Bast, em “A árvore reluzente”, se adequa perfeitamente à personalidade desses personagens). As preocupações e tarefas de Auri parecem, à primeira vista, absolutamente banais, mas, graças à preocupação da personagem, nós passamos a nos preocupar com elas também.

E achei que, apesar da monotonia aparente da novela, ela é uma obra-prima da construção de expectativa: na maior parte do texto, acompanhamos Auri com seus passinhos cuidadosos e cautelosos, até que Pat nos entrega uma cena que muda tudo o que pensávamos saber, e que me deixou de queixo caído. Mas não vou contar – leiam.

Vale mencionar que o livro contém ilustrações de Nate Taylor, que são lindas e que ajudam a visualizar os lugares misteriosos dos Subterrâneos. Não recomendo a novela para quem não leu os dois livros da série, mas se você gostou da Crônica, vale arriscar. Para mim, há pouquíssimos autores de fantasia com a mesma sensibilidade que Patrick Rothfuss. Suas obras, especialmente esta, não vão agradar a todos, mas nem precisam ou almejam tal coisa: para aqueles a quem são destinadas, certamente serão muito especiais.

*

A música do silêncio
Autor: Patrick Rothfuss
Tradutora: Vera Ribeiro
Editora: Arqueiro
Ano de publicação: 2014
144 páginas

 

Citações preferidas

Alguns lugares tinham nomes. Alguns lugares mudavam seus nomes, ou tinham vergonha de admiti-los. Alguns lugares não tinham nomes, e isso era sempre triste. Ser reservado era uma coisa. Mas não ter um nome? Que terrível. Que solitário.

*

Alguns dias simplesmente pesavam como pedras. Alguns eram tão caprichosos quanto gatos, fugindo quando você precisava de conforto, então voltando quando você não os queria, roubando seu fôlego.

*

Seu nome era como um eco de uma dor dentro dela.

*

Ela sentiu o pânico crescendo dentro dela. Ela sabia. Sabia quão rápido as coisas podiam se quebrar. Você fazia o possível. Cuidava do mundo pelo bem do mundo. Torcia para ficar a salvo. Mas, mesmo assim, ela sabia. O mundo podia desabar e não havia nada que você pudesse fazer. E sim, ela sabia que não era certa. Sabia que seu tudo estava torto. Sabia que sua cabeça era toda desajustada. Sabia que não era verdadeira por dentro. Ela sabia.

Uma resposta em “[Resenha] A música do silêncio

  1. Pingback: [Especial] Livros favoritos de 2016 | Sem Serifa

O que achou deste post?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s